novembro 25, 2005

Garça

Se existe de fato rivalidade entre paulistanos e cariocas, não percam tempo procurando por lá. A cidade transpira uma hospitalidade reconfortante e uma vivacidade preguiçosa e contagiante.

Tenho tanta sorte em meus projetos orientados aos caminhos no lugar das metas que começo a me questionar se este viés não é mais adequado que as alternativas.

Garça, para mim, não era mais que um ponto no mapa, um ponto insuspeito entre Bauru e Marília, a doze horas de viagem, a dois semi-leitos de distância.

Ainda não sabia se saltaria em Bauru, se continuaria até Marília ou mesmo se me encantaria por Lençóis, mas estava decidido a saltar onde quer que minha indecisão me permitisse, depois de papear com uma meia dúzia de completos estranhos pelo caminho.

Não havia intenção nenhuma em ser preciso nem qualquer necessidade, quando saí, no dia 11 de Novembro. Deixei a lança da objetividade na mesa do escritório, junto com o escudo das justificativas e a armadura do método.

Fácil não foi: foram seis horas no semi-leito da 1001 até a Rodoviária Tietê; a permanência em São Paulo até que o Expresso de Prata abrisse, no dia seguinte, na Rodoviária de Barra Funda; mais seis horas de São Paulo até Garça.

Não saltei em Bauru, não continuei até Marília... ao invés disso dei uma chance para essa cidadezinha graciosa e pitoresca de quarenta mil habitantes e de poucos prédios de apartamentos.

No simpático Santa Maria Park Hotel eu soube do novo point da cidade, que fui checar despretensiosamente para acabar encontrando um bistrô que nada deixava a desejar à uma Prefácio de Botafogo ou a um Café Esch do Centro da Cidade do Rio de Janeiro.

Os donos, João Carlos e Ricarda – gente da melhor qualidade – haviam inaugurado o Antiquarius Bistrô dois dias antes, vinham de Tupã e tinham conseguido montar um lugar de arquitetura e decoração aconchegantes, bar irretocável, boa comida, simpático atendimento e ótima freqüência.

Tanto que conheci Leandro Castilho, Francisco Neto, o “Colombiano” e suas respectivas. Influentes e muito gente boa, me levaram pra conhecer o Postão – ponto de encontro dos jovens garcenses – e me colocaram para dentro do Baile do Hawaii, uma festa com gente das cidades próximas, embalada pela banda Capitão Mamão (muito legal) no mais movimentado fim de semana do ano em Garça!

Todas as surpresas foram deliciosas em Garça, desde do suntuoso lago artificial J.K.Williams, passando pelo Bosque Municipal - de 18 hectares de Mata Atlântica! - que o ladeava até o enorme campo verde onde a prefeitura montara a concha acústica para um respeitável show de Rock.

Conheci gente muito simpática e divertida, como o Francisco Junior – da Divisão de Turismo, e que me ajudou na escolha do hotel e da empresa de ônibus; pessoas profundas e boa praça, como o Mário, que me acompanhou numas cervejas no bistrô; grupos risonhos e solícitos, no Departamento de Polícia de Garça; e uma menina inteligente e interessante, Lyna Covolan, que era tão novinha quanto bela e boa de papo.

Foram três dias em Garça. Três dias incomuns, significativos e deliciosos. Dias de saudade de quem ficou no Rio, de uma solidão gratificante e de encontro comigo mesmo.

Em minha última noite me foi dado um presente maravilhoso: assistir a um sensacional show de uma promissora banda chamada Phoma, arrasando no Tênis Clube de Garça, tocando de “Guns & Roses” até “System of a Down”.

Pitoresca e animada, hospitaleira e interessante, Garça não é só uma recomendação em Julho – na Festa das Cerejeiras; em Novembro, quando acontece o Baile do Hawaii; no ano inteiro pra visitar suas 80 cachoeiras; mas uma ótima recomendação sempre que se desejar olhar pras outras cores dessa aquarela, quando se tem a intenção de conhecer um pedacinho diferente do Brasil e quando se precisa procurar a si mesmo.


Postado por baccioly em 10:16 AM | Comentários (5)

novembro 04, 2005

Perdendo a Linha!

O principal fornecedor de software do planeta Terra, que já está no mercado de hardware há algum tempo, faz de novo e coloca no mercado um mouse pequeno e notável para usuários de Notebook.

A tecnologia, de fato, é carismática; não raro compramos muito do que não necessitamos; e muitas vezes nos decepcionamos com a qualidade dos produtos adquiridos e percebemos que não atendem bem às nossas necessidades.

Dá pra destilar posts e mais posts a esse respeito e - ora, vejam - é exatamente o que venho fazendo. Mas é preciso dar a mão a palmatória quando um produto de qualidade chega às prateleiras, atendendo às necessidades de seus usuários.

O Microsoft Wireless Notebook Optical Mouse é a manifestação da máxima "A Forma segue a Função"! Com pouco menos de 10 por 6 centímetros e com 6 centímetros de altura, o ratinho, cheio de estilo, é um show de sofisticação, design e usabilidade!

Para começar, o equipamento não tem fios, o que é uma mão na roda, uma vez que ao fim do dia, costuma-se ter de enrolar tudo quanto é fio e infurnar dentro da maleta. Com o tempo o mal contato é inevitável, em mouses com fio.

O receptor se conecta a porta USB do laptop e se comunica com o mouse via ondas de rádio na faixa dos 27Mhz - permitindo uma distância de operação de até 1 metro e 80 centímetros (não que isso seja necessário na maior parte dos casos), mas bastante providencial para usar o equipamento em apresentações PowerPoint.

Brilhantemente, o receptor - que pode ser adaptado para diferentes geometrias e espaços do lado de trás do laptop - ao fim da sessão de trabalho, pode ser encaixado na parte de baixo do mouse, o que faz com que automaticamente desliga o mouse, economizando a pilha pequena (AA), que tem uma autonomia de 6 meses.

O próprio mouse controla seu consumo de energia, economizando a única pilha que utiliza quando não está em uso. Não se percebe nenhuma demora na saída do modo de espera, de modo que não há sequer meio segundo de perda de produtividade.

A falta de partes móveis na parte de baixo do mouse não é uma novidade, contudo é muito providencial para que um equipamento, que vive pra cima e pra baixo, tenha uma vida útil mais extensa.

Os mouses óticos, embora não sejam mais novidade, são ainda notáveis e tanto sua precisão quanto confiabilidade os tornam um dos grandes avanços, em termos de dispositivos de entrada, dos últimos anos.

Para os usuários de máquinas de mesa - desktops - a Microsoft oferece, em sua linha de hardware, dois mouses óticos sem fio, os irmãos mais velhos do ratinho em questão.

Sobre estes equipamentos - o Wireless Optical Mouse e o Standard Wireless Optical Mouse - não tenho muito a dizer, pois não os usei, mas o que posso dizer é que fiquei profundamente satisfeito com o rato novo!

Por R$ 165,00 no Edifício Central? Eu recomendo!


Postado por baccioly em 10:00 AM | Comentários (3)

novembro 03, 2005

É melhor não ter...

"...que não saber usar", é o que se diz por aí. E, a meu ver, este ditado devia estar no topo da cartilha de quem projeta produtos e comunica visualmente!

Hoje é o "Dia Mundial da Usabilidade" e, por incrível que pareça, pouca gente sequer sabe o que Usabilidade significa.

Usabilidade é a medida de facilidade com a qual uma coisa se presta a ser utilizada. Quando falamos em Engenharia de Usabilidade estamos nos referindo à disciplina responsável por tornar mais fácil entender e operar apetrechos do dia a dia, sejam eles computadores, DVD Players, televisores, celulares, máquinas fotográficas, móveis, portas, malas, canetas, revistas, sinais de trânsito ou o que quer que seja que envolva interação com o usuário.

No dia de hoje, 35 países estão organizando seminários que, de alguma forma, tangenciam a questão ou vão direto ao ponto.

Em São Paulo, a Usability Professionals Association - UPA - organizou o evento "Making it Easy", que conta com palestrantes da Petrobrás, do e-PoupaTempo, Prodam, e muitas outras instituições.

O projeto centrado no usuário é até uma idéia que vem se alastrando, contudo, a realidade do mercado de software - e do mercado em geral - tende a coibir o projeto de sistemas bem feitos.

Pode parecer uma afirmação um tanto dura demais, entretanto, se o mercado fosse orientado à qualidade - o que é fundamental para o projeto centrado no usuário - prazos não seriam tão rígidos e não seriam exigidas tantas concessões das empresas que produzem estes softwares.

Para quem não sabe, trabalho no ramo de desenvolvimento de sistemas, com uma equipe de Engenharia de Usabilidade, congregando Projetistas Gráficos (Designers) e Analistas/Programadores, de forma a projetar, implementar e encapsular objetos de interface cujo uso seja o mais transparente e amigável possível, tornando melhor a experiência de uso de sistemas.

Constantemente, no meio, nos vemos diante de concessões relutantes e, cada uma delas é um rebite a menos no edifício que estamos tentando construir. No fim, por motivos políticos, econômicos, temporais, egóicos etc acabamos deixando de ser projetistas de software e passamos a ser administradores de concessões.

Seja como for, com este evento, a UPA joga luz sobre o tema e dá credibilidade ao que, há bem pouco tempo, era considerado perfumaria, senso comum e adereço desnecessário. Disciplinas que sugiram a sofisticação do desenvolvimento de software e incentivem maior deliberação acerca de cada aspecto do projeto de sistemas devem ser sempre bem-vindas.

Usabilidade se refere não só a webSites - ou mesmo só a aplicações web - se refere a aplicações stand alone, sistemas operacionais (de computadores, Palms e celulares), aos painéis de aparelhos domésticos, a controles remotos e mesmo maçanetas de portas.

Diante deste novo nome pra algo mais antigo - a que todos chamávamos Desenho Industrial - reinventamos a preocupação com as questões com as quais o Projeto Gráfico e o Projeto de Produto sempre tiveram de lidar.

Diante dos princípios da Engenharia de Usabilidade, fica claro que é fácil fazer mais fácil...

...porque é mais fácil fazer direito!


Tirinha enviada por Lorena Boyer

Você quer saber mais?
WUD.com.br . É fácil fazer mais fácil!
WorldUsabilityDay.org . Welcome to World Usability Day!
UPAssoc.org . Usability Professionals' Association
WebInsider.UOL.com.br . WUD, o Dia Mundial da Usabilidade em 35 países
Flash-Brasil.com.br . World Usability Day (Dia Mundial da Usabilidade)
Usabilidoido.com.br . Dia Mundial da Usabilidade
Usabilidade.org . Dia Mundial da Usabilidade 2005
SimplesConsultoria.com.br . Dia Mundial da Usabilidade
Zone41.net . Dia Mundial da Usabilidade

Você quer saber ainda mais?
Amazon.com . The Invisible Computer
Amazon.com The Design of Everyday Things
Amazon.com . Design with WebStandards
Tableless.com.br . WebSite sobre design web sem tabelas e Usabilidade
Atipico.com.br . Curso de WebStandards
Microsoft.com . Usabilidade
Wichita.edu . Site sobre Usabilidade em aplicações
JoelOnSoftware.com . Site dedicado à usabilidade em software
UsabilidadeNaWeb.blogger.com.br . WebLog dedicado a Usabilidade em português
TiffanyBBrown.com . Site sobre Usabilidade
UseIt.com . Website Engenharia de Usabilidade de Jakob Nielsen
JND.org . WebSite sobre Análise de Interface de Donald Norman
NNGroup . WebSite sobre Análise de Interface de Norman e Nielsen
UsabilityFirst.com . Guia de Usabilidade OnLine para webSites e webApps
UsableWeb.com . Informações e links sobre Usabilidade
SimplyTom.com . WebSite de Tom Brinck sobre o conceito de Usabilidade.
UsabilityViews.com . Artigos sobre Usabilidade
SitePoint.com . Artigos sobre Engenharia de Usabilidade e Acessibilidade
Macromedia.com . Site da Microsoft sobre Usabilidade em Flash
Fmemoria.com.br . WebSite de Felipe Memória
Design para a Internet - Projetando a Experiência Perfeita - Felipe Memória
Fmemoria.com.br . Sumário do Livro
Fmemoria.com.br . Pesquisas Acadêmicas
Postado por baccioly em 11:12 AM | Comentários (2)